Archivo por meses: septiembre 2023

Qualidades do som (I): timbre e qualidade da voz

Postagem original em espanhol. Traduzido por inteligência artificial para obter uma maior difusão. Por favor, se notar erros, entre em contato conosco em inglês ou espanhol. Obrigado por sua compreensão.

Das quatro qualidades perceptivas do som: intensidade, altura, timbre e duração, o timbre é a mais controversa. De acordo com a RAE (Real Academia da Língua Espanhola), o timbre é a “qualidade do som determinada pelo efeito que ele produz nos ouvintes”. No entanto, a Acoustical Society of America adota a definição de Helmholz (1954) e afirma que o timbre é, de fato, uma característica perceptiva que nos permite diferenciar dois sons, mas é necessário que ambos os sons tenham a mesma intensidade e frequência fundamental para que isso seja possível. Aqui você também pode encontrar várias definições de timbre de acordo com diferentes autores.

O principal problema do timbre, por ser uma qualidade perceptiva, é que ele não tem uma magnitude objetiva para ser medido, enquanto para o pitch podemos medir a frequência em Hertz, para a intensidade medimos a amplitude em decibéis e a duração em segundos. Além de ser uma qualidade controversa, o próprio termo timbre também é questionado na literatura.

A maioria dos autores considera os termos timbre e qualidade de voz como sinônimos. Sapir (1927) ou Drake (1937) foram alguns dos primeiros e foram seguidos por muitos outros, como Laver (1975), Dejonckere e colegas (2001), Kreiman, Sidtis e Gerrat (2008), Hewlett e Beck (2013), etc. Scherer et al. (2013) explicam que o termo qualidade da voz se refere ao que é percebido como timbre ou cor da voz. Entretanto, como o timbre pode se referir a qualquer som, o termo qualidade é frequentemente preferido quando se fala de voz. Nesse sentido, Crystal (1976) considera que timbre é diferente de qualidade de voz. Para esse autor, o termo timbre se aplica às ressonâncias de qualquer som, enquanto só se pode falar de qualidade vocal quando a diferença produz contrastes linguísticos.

O termo qualidade também é controverso. Sundberg (2013) diferencia entre a qualidade das vogais encontradas nos formantes inferiores do espectro e a qualidade do vozeamento que depende dos formantes superiores.

spectrogram_-iuaFormante: a área da escala de frequência na qual um som tem a maior concentração de energia. Também pode ser definida como cada uma das ressonâncias do canal vocal (Gil, 1988) (Imagem retirada de: CC BY 2.0)

Mas até mesmo o termo qualidade de voz é debatido. Em um sentido amplo, já que a maioria dos autores considera timbre e qualidade vocal como sinônimos, pode-se dizer que as características que percebemos e que nos ajudam a distinguir uma voz de outra se devem a vários fatores. Primeiro, a estrutura anatômica do falante; segundo, os ajustes que o falante faz com a musculatura da laringe; e terceiro, os ajustes articulatórios feitos pelas estruturas supraglóticas, ou seja, o sistema articulatório.

gray956

gray953Estruturas glóticas e laríngeas. Imagens retiradas de Henry Vandyke Carter [domínio público], via Wikimedia Commons

Honikman (1964), Laver (1968, 1980) e Esling (1983), entre outros, são da opinião de que a qualidade da voz é derivada da maneira como todas essas estruturas são montadas e coordenadas. Entretanto, outros autores acreditam que seria necessário diferenciar o som produzido pela fonte glótica do som produzido por todas as estruturas articulatórias supralaríngeas. E a qualidade da voz começa a ser diferenciada dos modos de fonação. No entanto, deixaremos esse assunto complexo para uma segunda entrada.

Bibliografia:

  • Crystal, D. (1976): Prosodic systems and intonation in English, (Vol. 1), Cambridge University Press Archive.
  • Dejonckere, P. H.; Bradley, P.; Clemente, P.; Cornut, G.; Crevier-Buchman, L.; Friedrich, G. y Woisard, V. (2001). “A basic protocol for functional assessment of voice pathology, especially for investigating the efficacy of (phonosurgical) treatments and evaluating new assessment techniques”, European Archives of Oto-rhino-laryngology, 258(2), pp. 77-82.
  • Drake, O. J. (1937): “Toward an improved vocal quality”, Quarterly Journal of Speech, 23(4), pp. 620-626.
  • Esling, J. H. (1983): «A laryngographic investigation of phonation type and laryngeal configurations», Working Papers of the Linguistics Circle, 3 (1), pp. 14-36.
  • Gil Fernández, J. (1988): Los sonidos del lenguaje, Madrid, Síntesis.
  • Helmholtz, H. von (1954): On the sensations of tone as a physiological basis for the theory of
    music, A.J.Ellis (ed. y trad.), New York, Dover, (Publicado originalmente en 1863).
  • Honikman, B. (1964): «Articulatory settings» en D. Abercrombie, D. B. Fry, P. A. D. MacCarthy, N. C. Scott y J. L. L. Trim (eds.) In honor of Daniel Jones, Londres, Longmans, pp. 73-84.
  • Kreiman, J.; Vanlancker-Sidtis, D. y Gerrat, B. R. (2008). «Perception of voice quality» en D. B. Pisoni y R. E. Remez (eds.), Handbook of speech perception, Blackwell, pp. 338-362.
  • Laver, J. (1968): Voice quality and indexical information. International Journal of Language & Communication Disorders, 3, 1, pp. 43-54.
  • Laver, J. (1975): «Individual features in voice quality», Ph.D. dissertation, University of Edinburgh.
  • Laver, J. (1980): The Phonetic Description of Voice Quality, Cambridge, Cambridge University Press.
  • Sapir, E. (1927): «Speech as a Personality Trait», American Journal of Sociology, pp. 892-905.
  • Scherer, S.; Kane, J.; Gobl, C. y Schwenker, F. (2013). «Investigating fuzzy-input fuzzy-output support vector machines for robust voice quality classification», Computer Speech & Language, 27(1), 263-287.
  • Sundberg, J. (2013). «The perception of singing» en D. Deutsch (ed.), The psychology of music, Elsevier, pp. 59-98.

Publicado por Pilar Lirio