Archivo por días: 06/10/2023

Anatomia, histologia e fisiologia das cordas vocais: Mucosa

Postagem original em espanhol. Traduzido por inteligência artificial para obter uma maior difusão. Por favor, se notar erros, entre em contato conosco em inglês ou espanhol. Obrigado por sua compreensão.

As cordas ou pregas vocais são as duas pregas localizadas dentro da estrutura laríngea, na extremidade superior da traqueia e são diretamente responsáveis ​​pela produção da voz, embora também tenham outras funções como a respiração (as pregas vocais são abduzidas do ativo forma para permitir a passagem do ar) e o esfíncter, impedem que qualquer substância, exceto o ar, entre no pulmão.

Anatomicamente, as dobras são constituídas por várias camadas. Da camada mais superficial à mais interna encontramos: o epitélio, a lâmina própria (dividida em superficial, intermediária e profunda) e o músculo vocal, o tireoaritenóideo. Do ponto de vista mecânico, essas camadas podem ser agrupadas em três seções: a mucosa (formada pelo epitélio e pela camada superficial da lâmina própria), o ligamento (composto pelas camadas intermediária e profunda da lâmina própria) e o músculo vocal.

vocal cordCamadas das pregas vocais. Adaptado de Gray, 2000.

As camadas das pregas vocais possuem diferentes composições histológicas que lhes conferem diferentes propriedades viscoelásticas que afetam a vibração. Mudanças na proporção de sua composição devido, por exemplo, à idade, ao conteúdo hormonal ou à ingestão de medicamentos podem alterar essas proporções, o que pode levar a variações na qualidade da voz.

MEMBRANA MUCOSA
A mucosa é a estrutura externa das pregas vocais cuja integridade fica comprometida pelas altíssimas taxas de impacto e tração decorrentes das vibrações derivadas do ato fonatório. Na voz cantada você pode atingir até 1700 ou 1800 Hz (vibrações por segundo). Em casos excepcionais, como o da cantora peruana Yma Sumac dos anos 1940, ainda mais (C#7 significa mais de 2.200 Hz).

Epitélio e membrana basal
A camada mais externa ou superficial das pregas vocais é o epitélio que, segundo a RAE (Real Academia Espanhola), “é o tecido animal formado por células em contato próximo, que reveste a superfície, cavidades e dutos do organismo” (DEL 2014). O tecido epitelial, então, é encontrado em todo o corpo: pele, esôfago, traqueia, tecido estomacal, tecido intestinal… O que varia é a função de cada tipo de tecido, como: proteger os tecidos subjacentes de lesões por tração mecânica. danos químicos, desidratação ou infecções; absorção ou excreção de substâncias; transporte de materiais, etc. As pregas vocais são recobertas por uma camada de epitélio escamoso estratificado não queratinizado cuja função é proteger áreas sujeitas a abrasão ou impacto contínuo como o recebido pelas pregas vocais devido à vibração fonatória. A estratificação garante a eliminação e substituição das camadas celulares que constituem o epitélio. A falta de queratina faz com que este tipo de epitélio deva ser continuamente umedecido pelas secreções corporais para evitar o ressecamento, ao contrário de outros tecidos queratinizados como a pele em que a elevada composição de queratina nas camadas superficiais garante a retenção da hidratação nas camadas internas.

Layers-HiranoImagem adaptada de Hirano (1982) na qual é possível observar tanto a área do epitélio escamoso estratificado quanto a do epitélio colunar ciliado.

A membrana basal sustenta o epitélio e o fixa à camada superficial da lâmina própria. A membrana basal é formada, sobretudo, por fibroblastos que participam da cicatrização e restauração das células epiteliais e do colágeno, que é a proteína capaz de formar fibras flexíveis, porém tensionadas. A mucosa é a parte mais externa das pregas vocais e, portanto, a que recebe maior desgaste e tração derivada da vibração fonatória. A membrana se une à lâmina própria por meio de fibrilas cujo número é determinado geneticamente, o que parece indicar certa predisposição ao desenvolvimento de patologias vocais (Cobeta et al. 2013).

Lâmina própria superficial
A lâmina própria superficial ou espaço de Reinke é a primeira camada das três que compõem a lâmina própria, mas faz parte da mucosa vocal enquanto as outras duas formam o ligamento vocal. É uma estrutura altamente elástica composta, sobretudo, por colágeno, ao qual adere a membrana basal, mas que por sua vez não está fixada à lâmina própria intermediária. Isto significa que a mucosa desliza sobre o ligamento de forma independente na sua vibração.

As características de flexibilidade e resistência da mucosa vocal além da independência anatômica do ligamento vocal é o que sustenta a teoria mucoondulatória da mecânica vocal da qual já falamos neste post.

Da mesma forma, pelas características da mucosa, é nesta estrutura que se origina grande parte dos distúrbios vocais.

Hirano-PatologiasNas figuras, representação de cortes coronais das pregas vocais (divididas em mucosa, ligamento e músculo) e alguns dos distúrbios vocais mais frequentes. Adaptado de Hirano e Bless (1993).

Bibliografia
-Broto, J. P. (2006). Otorrinolaringología y patología cervicofacial. Ed. Médica Panamericana.
-Cobeta, I., Núñez, F. y Fernández, S., Patología de la voz, Marge books, 2013.
-Diccionario de la Lengua Española. (2014). Diccionario de la lengua española (23.a ed.). Consultado en http://dle.rae.es
-Gray, S. D., Cellular physiology of the vocal folds. The Otolaryngologic Clinics of North America. V. 30. No. 4. pp 679-98. Aug 2000.
-Hirano M. The role of the layer structure of the vocal fold in register control. Vox Humana. University of Jyvaskyla; 1982. p. 50-62.
-Hirano M, Bless DM. Videostroboscopic examination of the larynx. Singular Publishing Group, San Diego, 1993.

Publicado por Pilar Lirio, 2016